Cirurgias guiadas: Técnica permite o planejamento prévio para a colocação de implantes

Cirurgias guiadas: Técnica permite o planejamento prévio para a colocação de implantes

Cirurgias guiadas: Técnica permite o planejamento prévio para a colocação de implantes

A cada ano, a implantologia evolui em seus métodos e técnicas para assegurar os melhores resultados para os seus pacientes. Isso, baseada em estudos e pesquisas preliminares que viabilizam seus procedimentos e tratamentos.

A cirurgia guiada, por exemplo, é uma boa opção para os pacientes que não desejam passar por todas as fases necessárias para implantação de um dente. Com essa técnica, o procedimento é realizado primeiro no computador, através de uma tomografia tridimensional da arcada dentária do paciente. Essa tecnologia permite ao dentista realizar o implante em 3D, observando sua posição e inclinação. É possível ainda, definir quantas peças serão necessárias e a profundidade de cada uma delas.

Dessa forma, o profissional terá uma espécie de guia cirúrgico para facilitar a cirurgia sem cortes.   Com o planejamento permitido pela cirurgia guiada, o dentista consegue determinar o procedimento que será realizado e escolher os locais que serão perfurados. Um dos grandes diferenciais da cirurgia guiada é a qualidade estética dos implantes, além da comodidade para o paciente, que passa por um procedimento mais simples e menos invasivo. Já que não há cortes, o pós-operatório não é tão longo nem dolorido.

Podemos confiar nessa técnica?

Muitos estudos têm sido realizados para avaliar a precisão da cirurgia guiada e determinar a diferença entre o prévio planejamento e o resultado final obtido. No entanto, para isso se faz necessária a avaliação de certos elementos, a diminuição dos desvios de padrão e a eliminação do risco de erros.

Desde 2010, aceita-se que o exame Tomografia Computadorizada 3D (CBCT) deve ser considerado para o diagnóstico e planejamento do tratamento com implantes. Porém, para se conseguir uma segmentação perfeita do exame, é necessário o uso de um software de planejamento de calibração.

O guia radiográfico

No momento de aquisição da imagem em 3D, o paciente deve ficar imóvel, pois qualquer movimento poderá causar erros ou comprometer a percepção dos volumes. Portanto, é fundamental sua adaptação e o posicionamento correto na boca, para que haja estabilidade.

O guia cirúrgico

Existe no mercado guias cirúrgicos estáticos muito variados, com fabricação por estereolitografia, laboratorial com a perfuração manual ou com a utilização de máquinas. O estabelecimento dos implantes pode ser feito de acordo com o sistema através da guia ou após a remoção do mesmo.

A precisão total da cirurgia é essencialmente dependente do posicionamento correto da guia e a espessura da gengiva, no caso de mucosa guia de suporte, é também um fator a ser considerado.

Cirurgia

Atenção e cuidado para posicionar a guia cirúrgica na boca, apesar de estabilização e as sequências que dizem respeito a perfuração são essenciais. A orientação do implante ao longo de sua integração também é crucial para o resultado final.
De fato, para obter um resultado de uma maior precisão e previsibilidade, técnica, podemos contar com a cirurgia assistida por computador, porém, todos os elementos devem ser avaliados com cautela para eliminar qualquer possibilidade de grandes desvios ou erros.

No Comments

Post a Reply