O cuidado com a higiene e a biossegurança nos laboratórios de próteses

O cuidado com a higiene e a biossegurança nos laboratórios de próteses

Os profissionais dos laboratórios de próteses muitas vezes esquecem que os moldes, modelos, entre outros objetos entraram em contato com a saliva e/ou sangue do paciente. Considerando que qualquer paciente é passível de portar algum tipo de doença infecciosa como a Hepatite (A, B, C, Delta e E), herpes, tuberculose, candidíase e até mesmo patologias como a Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (AIDS), torna-se indispensável à desinfecção adequada de qualquer material que chegue ao laboratório.

Todas as condutas de biossegurança e higiene devem ser colocadas em prática nos laboratórios de prótese, caso contrário, os microrganismos poderão causar uma infecção cruzada entre dentistas, auxiliares, protéticos, pacientes e etc.

Uma boa comunicação entre as equipes do consultório e laboratório também contribui para diminuir os riscos e equívocos, além das contaminações.

Evite comportamentos de risco e elimine as infecções

Uma das principais condutas que deve ser adotada para segurança e higiene dentro do laboratório de próteses é o uso dos Equipamentos de Proteção Individual (EPI) tais como luvas, toucas, máscaras, jalecos, a correta lavagem de mãos, a desinfecção de superfícies, a esterilização de instrumentos, além da eliminação apropriada dos resíduos contaminados.

Para efeitos de contenção, o indicado é que ao deixar o laboratório, o técnico nunca carregue consigo nenhum dos equipamentos de segurança, principalmente as luvas e o jaleco, pois assim evitam a disseminação de agentes patogênicos e substâncias tóxicas. Também é reprovável o comportamento de se alimentar dentro do laboratório, além de cheirar qualquer tipo de substância, todas elas devem estar identificadas por rótulos.

É de extrema importância para a saúde das pessoas fora do laboratório além de cuidado com o meio ambiente, a atenção ao descarte correto de resíduos biológicos e químicos.

Muitas vezes os profissionais demoram a perceber os riscos, o que pode comprometer qualquer chance de reverter um quadro crítico. Por isso, a cultura do conhecimento, implantada através de programas educativos, treinamentos em biossegurança podem contribuir muito positivamente para que todos apliquem as Boas Práticas de Laboratório (BPL) diariamente em suas atividades.

Cuide da sua saúde! Sempre é melhor prevenir do que remediar.

No Comments

Post a Reply